A adoção de gémeos digitais na transformação digital das organizações

A adoção de gémeos digitais na transformação digital das organizações

Se nos perguntarmos qual a importância de um gémeo digital ou “digital twin”, podemos desde já considerar o exemplo da NASA durante a crise com a Apollo 13, e tal como foi dramatizado no filme “Apollo 13”, quando peças disponíveis aos astronautas foram colocadas numa mesa e solicitado a uma equipa de engenheiros, que solucionassem o problema e passassem a solução aos astronautas. A NASA conseguiu assim trazer os astronautas a terra são-e-salvos

Hoje em dia a NASA utiliza gémeos digitais em diversas áreas e para diversos casos de uso. 

Ao analisarmos diferentes definições do que é um gémeo digital, deparamo-nos com respostas algo diferentes, mas de forma genérica e simplificada todas elas apontam no mesmo sentido, definindo gémeos digitais como uma representação digital de um objeto ou sistema do mundo real. Há até quem goste de utilizar o termo imagem digital quando nos referimos à criação desse gémeo digital.

Mas então, para que nos será útil os gémeos digitais?

O primeiro artigo sobre os gémeos digitais, foi elaborado pelo Dr. Michael Grieves, na Universidade de Michigan, em 2003. Já na altura, o Dr. Grieves, falava da importância de 3 elementos: produto físico no espaço real, gémeo digital no espaço virtual e também a informação que liga os dois.

Quando criamos essa imagem ou gémeo para o mundo digital, podemos utilizá-lo para fazer simulações e efetuar uma série de testes, de forma mais rápida, eficiente e menos dispendiosa sem afetar o objeto ou sistema do mundo real. Conseguimos extrair ainda mais valor se estabelecermos relação entre o real e virtual se o virtual receber a mesma informação do que se passa no mundo real.

A Internet das coisas está a mudar radicalmente a forma como adquirimos os dados, a frequência com que o fazemos bem como a capacidade de relacionar e criar sistemas complexos que ligam diferentes dispostos. A analítica e aplicação de inteligência artificial ajuda na forma como analisamos esses dados de forma automatizada que permitem tomar ações para otimização de processos, redução de custos, aumento de receitas e não menos importante melhorando a nossa qualidade de vida.

Torna-se assim evidente o valor da integração da internet das coisas com os gémeos digitais, em que sensores são utilizadores para fazer medições do mundo real e mantendo o sincronismo com o gémeo digital.

Ao consultarmos o relatório das tendências tecnológicas para 2017, elaborado pela Gartner, constamos que relativamente a este tema, a mesma previu que até 2021, metade das grandes organizações de cariz industrial vão utilizar gémeos digitais.

A utilização de gémeos digitais aliado à internet das coisas, à analítica e inteligência artificial pode e irá mudar o futuro de muitas organizações, deixando para atrás aquelas que não forem capazes de reconhecer a sua importância. 

Aquando da discussão de assuntos à volta da industria 4.0, um dos temas que se destaca é mesmo o dos gémeos digitais, e embora o desenvolvimento de produtos seja uma das áreas apontadas com mais valor da criação de gémeos digitais, da internet das coisas e da analítica aliada à inteligência artificial, existem outras áreas, industrias e casos de uso para a sua aplicabilidade. A adoção dos gémeos digitais será fator importante na disrupção necessária para alavancar grande parte das organizações na sua transformação digital. Vejamos alguns exemplos da possibilidade da utilização dos gémeos digitais e da internet das coisas:

Manufatura: Esta é a indústria que poderá ser a maior beneficiária e permite a otimização dos produtos e dos processos de fabrico ao longo do tempo o que se facilita e reduz o tempo para atingir objetivos de negócio. Na industria 4.0 este é já um dos pontos de concentração de esforços de muitas organizações a nível mundial.

Saúde: Com a criação de gémeos digitais de determinado paciente, será possível aos profissionais de saúde conhecer e personalizar o tratamento a aplicar a esse mesmo individuo, dando até a possibilidade de mostrar ao paciente como será a evolução do tratamento ao longo do tempo. Outra possibilidade será também o estudo de efeitos secundários quando aplicado determinada substancia a um determinado gémeo digital sem afetar o paciente antes de serem conhecidos resultados.

Retalho: Como uma das áreas criticas no retalho é a ganhar e manter uma grande quantidade de clientes, será possível através do uso de gémeos digitais para otimizar a recomendação de determinados produtos. Também aqui, e segundo as previsões efetuadas pelos especialistas na área, os centros comerciais sofrerão grandes transformação, o que torna a utilização e criação de gémeos digitais para a otimização de diferentes variáveis com vista a obtenção de maior rentabilidade.

Cidades Inteligentes: Onde a criação dos gémeos digitais é útil para os utentes, mas também para as entidades que gerem esses espaços. A redução dos impactos ambientais aquando da rápida e crescente urbanização desses espaços bem como dos espaços envolventes é um dos exemplos onde os gémeos digitais se revelam uteis.

Seguros: Onde será possível a utilização dos gémeos digitais para aconselhar de forma visual os seus segurados relativamente à forma como podem adotar comportamentos mais seguros.

Apenas para resumir, a tecnologia está a evoluir de forma exponencial, por isso não é suficiente que as organizações mantenham uma evolução linear, é necessário agir, adaptar e o tomar decisões com maior precisão e de forma mais rápida. Com a interligação cada vez mais comum entre as pessoas e tudo o que as rodeiam, torna-se cada vez mais importante gerar informação dos dados gerados, ajudando à compreensão de processos e ou comportamentos que possam reduzir custos e aumentar receitas no que às organizações diz respeito. No que às pessoas diz respeito, a melhoria da qualidade de vida e acesso mais fácil à informação é também um dos pontos a realçar.

Os gémeos digitais vêm colocar à disposição das organizações e das pessoas a possibilidade de trabalhar o mundo virtual com o objetivo de otimizar processos, sistemas ou outros no mundo real. No entanto para que se tire o maior valor do investimento a fazer, devemos ter em atenção que a informação ligará esses dois mundos, sendo essencial uma estreita relação com a internet das coisas, analítica e inteligência artificial. Tendo em consideração que teremos à nossa disposição uma representação física, teremos que considerar a aplicabilidade e vantagens que a realidade virtual poderá também representar, permitindo estabelecer a relação visual entre os mundos real e virtual.

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 20 Julho 2019

IT INSIGHT Nº 20 Julho 2019

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.