“Nada substituiu a eficácia do contacto humano complementada com a eficiência que a tecnologia possibilita”

Numa parceria com a NTT DATA, a Associação Portuguesa de Contact Centers desenvolveu o Estudo de Caracterização e Benchmarking com o objetivo de analisar a evolução dos principais indicadores do setor de Contact Centers

“Nada substituiu a eficácia do contacto humano complementada com a eficiência que a tecnologia possibilita”

Ao longo dos últimos anos, e especialmente no âmbito da transformação digital e da pandemia, tem havido um crescente aumento de tecnologia nos Contact Centers. O novo Estudo de Caracterização e Benchmarking elaborado pela Associação Portuguesa de Contact Centers (APCC), em parceria com a NTT DATA, indica que se verificou um aumento de 38% para 52% dos Contact Centers que já utilizam a cloud, que a adoção de bots continua a ser uma tendência e que 42% das organizações já adotou soluções de Inteligência Artificial (IA) e pretende continuar o investimento no próximo ano. 

A utilização de tecnologia nos Contact Center sempre foi muito expressiva, porque desde a parte de telefonia clássica, à utilização de computadores e software de suporte à própria atividade, sempre foi uma constante, dada as volumetrias, escala e eficiência do serviço”, afirma Pedro Miranda, presidente da Associação Portuguesa de Contact Centers (APCC). 

Contudo, “naturalmente a tecnologia tem evoluído” e o responsável explica que o aumento da tecnologia se deve, na realidade, ao “crescimento em termos de importância de determinados componentes, mais vanguardistas, como é o caso da utilização da voz natural em alternativa aos menus tradicionais dos IVR, a própria utilização de IVR mais alinhados com a abordagem de chatbots com IA, e, ainda, a utilização de bot”. 

As tendências, garante Pedro Miranda, “refletem uma necessidade de automatizar e tornar acessível em self-service muitas tarefas simples, que os clientes finais e as próprias organizações valorizam que sejam feitas dessa forma, quando não há alternativa, deixando para o humano as questões mais complexas”.

Os inquiridos indicaram que as soluções tecnológicas mais prováveis de ser implementadas no futuro são natural IVR (43%), Robotic Process Automation (38%) e Ferramentas de Self-Care (38%), enquanto as tendências menos procuradas para o futuro são as soluções de gravação de voz e dados (13%) e a tecnologia GPS (17%).

A digitalização trouxe inúmeras novas oportunidades ao vários setores e modelos de negócio. No âmbito dos Contact Centers e do relacionamento com os clientes finais ou consumidores, Pedro Miranda diz que a digitalização acrescentou muitos mais canais, com um nível de interatividade cada vez maior, em que a voz, vídeo, fotografia e chat são meios complementares e cada vez mais naturais, tornando os contactos mais eficazes por melhorar imenso a capacidade de explicar o contexto e receber conteúdos que ajudam a resolver os desafios dos consumidores”. 

Apesar do caminho para a digitalização ainda estar a ser feito, o responsável acredita que “não é por falta de tecnologia disponível”. “Hoje, o apoio técnico, quando o segmento de consumidores é tecnológico, não deve ser baseado apenas na voz e com indicações difíceis de se explicarem por limitação desse meio. Há que trazer complementaridade de meios, como o vídeo ou fotografias, ou melhor ainda, com acesso remoto aos equipamentos onde a necessidade técnica é necessária, caso seja possível, naturalmente”, remata.

Por outro lado, no que concerne quem está a lidar com o cliente final, “tem-se assistido a saltos enormes que permitem, por exemplo, consultas mais eficazes, recorrendo a IA, com vista a disponibilizar os melhores conteúdos para as respostas ou tratamento a dar a cada situação. No que diz respeito a formação, os conteúdos são cada vez mais imersivos e iterativos, com simulações realistas, em que a capacidade de assimilação é muito superior, em menos tempo”. 

Finalmente, no âmbito da gestão dos centros, “o planeamento operacional, a relação entre a organização e o colaborador é muito mais digital, utilizando portais e apps de relação e comunicação. Nunca esquecer que nada substituiu a eficácia e a necessidade do contacto humano regular, em qualquer dimensão da nossa vida, complementada com a eficácia e eficiência que a tecnologia facilita e possibilita”, explica o presidente da APCC.

Apesar de se ter verificado um aumento dos Contact Centers a utilizar a cloud, em 2021, 15% dos inquiridos no estudo não equacionaram essa evolução. O presidente da APCC que o dado poderá recair sobre os casos dos associados de organizações de algum porte que, “por razões de política interna ou legado, não estão na cloud”. 

O responsável acredita que a grande vantagem da adesão à cloud é que permite "montar um Contact Center em poucas horas, do ponto de estrutura tecnológica dos canais de relacionamento e ferramentas de gestão”. Mais, acrescenta: “com a evolução das ofertas de cloud, é cada vez mais difícil competir, em preço, flexibilidade de escolha de capacidade de processamento, armazenamento, âmbito e ainda a enorme capacidade evolutiva de um projeto em cloud, face a uma solução internalizada”.

Por outro lado, “há projetos que, por questões de segurança, podem requerer soluções internas, mais clássicas”, ou, ainda, “híbridas”. “Nem sempre a cloud está fisicamente em Portugal, e isso pode ser um desafio de performance e de soberania de dados, em algumas situações”, completa.

Através da IA, é possível “colocar ao serviço do operador, que está a gerir uma questão de um cliente, o melhor e mais adequado conteúdo para o efeito”, “tornar as coisas mais inteligentes no sentido em que é possível conjugar mais variáveis na tomada de decisão, que antes a tecnologia de processamento e modelagem não estava acessível”, e ter abordagens mais personalizadas perante os clientes. 

Tudo o que for retirar esforço do humano de uma tarefa que tem de ser feita, é um fundamental que será sempre verdade no âmbito do Customer Experience”, reitera o presidente da APCC. Neste contexto, o estudo revela que 82% dos inquiridos estão a investir em Customer Experience e pretendem continuar a fazê-lo.

O Estudo de Caracterização e Benchmarking denota que, na última década, Portugal foi dos destinos mais escolhidos para nearshoring a nível mundial. Entre os principais fatores de competitividade portuguesa destaca-se os custos serem 15% mais baixos comparativamente a Espanha e 30% a 40% mais baixos do que o norte da Europa (França, Alemanha, Reino Unido), o facto de Portugal ser um país com investimento e crescimento na área tecnológica e com uma criação de startups 13% acima da média europeia.

Pedro Miranda acredita que “é obrigatório falar no aprofundamento da IA e na capacidade de analisar dados, transformando esses dados em conhecimento, recorrendo a soluções de Inteligência. Neste campo, ainda há muito a fazer porque o Contact Center por si só envolve um oceano de dados”. Além disso, “as soluções cloud são um futuro que já está a acontecer, mas ainda há muitos âmbitos para endereçar”. 

A capacidade tecnológica de integrar e de tornar simples a inteligência de utilização dos produtos e serviços que a empresa oferece nas jornadas de customer care, é, e sempre será, fundamental, para distinguir a excelência de relacionamento, que os consumidores bem sabem apreciar e valorizar”, comenta.

O responsável da APCC termina focando-se no crescente metaverso, “que é uma evolução na forma ainda mais digital de relacionamento, onde, muitas empresas já declararam ou já querem estar, para dar a conhecer e vender os seus produtos e serviços, o que levará, com certeza, a uma nova evolução nos serviços que o Contact Center vai prestar no futuro”.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 38 Julho 2022

IT INSIGHT Nº 38 Julho 2022

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.