Branded Content

Estamos a entrar num novo mundo de "Adaptive Applications”. Saiba o que isto significa

Atualmente todas as empresas estão a experienciar a digitalização nos seus negócios. Com o aparecimento da COVID-19, essas experiências são agora a principal forma de as pessoas interagirem e fazerem transações com quase todas as organizações e as expetativas dos clientes são mais altas do que nunca.

Estamos a entrar num novo mundo de "Adaptive Applications”. Saiba o que isto significa

As aplicações estão no centro das experiências digitais. Sempre que interage com uma empresa online, seja por meio do seu website ou da sua aplicação móvel, as aplicações que essas organizações projetam, constroem e operam são o rosto para os seus clientes.

A experiência digital habilitada por meio destas aplicações não é apenas crítica, mas pode ser frágil: de acordo com a App Attention Index do AppDynamics, quase 80% das pessoas procuram descontos ou reembolsos devido a uma má experiência digital. E 32% relatam que abandonariam uma marca à qual eram leais por causa de uma má experiência – apenas uma!

Claramente, as expetativas em torno das aplicações de hoje são incrivelmente altas e estão cada vez maiores. São impulsionadas pelas inovadoras – Amazon, Apple, Uber, para citar algumas – que continuam a encontrar novas maneiras de disrupção e de se diferenciarem por meio de experiências digitais. Mas a maioria das empresas luta para acompanhar as expetativas crescentes dos clientes.

Muitas empresas têm vastos portfólios de aplicações que permitem a conexão com clientes, colaboradores e parceiros. Por causa de fatores como o custo, risco e conformidade, essas aplicações costumam ser uma mistura de serviços e funcionalidades combinados com tecnologias tradicionais e modernas. Pense num banco com uma aplicação móvel moderna e inteligente que fornece informações da conta ou faz chamadas através de um sistema de back-end arcaico – que deve ser mantido para garantir a fiabilidade e a continuidade com sistemas complexos que não podem ser alterados de uma só vez.

Os desafios em torno da segurança também são assustadores e parecem estar a piorar. Um dos motivos é a complexidade. O nosso último relatório State of Application Services report, publicado em janeiro de 2020, destacou a dificuldade que as organizações enfrentam para gerir a segurança das suas aplicações nos atuais ambientes multi-cloud. Outro motivo é o cenário de ameaças em rápida evolução, em que o custo de ataques sofisticados continua a cair, mas o custo da defesa continua a aumentar. Em particular, o grande número de violações de dados na última década tornou possível para quase qualquer criminoso cibernético do mundo apropriar-se de contas de aplicações sabendo onde os utilizadores reutilizam as passwords nos websites. A F5 Labs research descobriu que oitenta e seis por cento dos ataques cibernéticos visam aplicações ou identidades associadas aos mesmos. O número de ataques a aplicações aumenta a cada ano e, no meio da pandemia global, assistimos a um pico sem precedentes.

E depois há o desafio da visibility. Parte da entrega de uma experiência digital atrativa é ser capaz de otimizar o desempenho de cada aplicação. Obter insights sobre a forma como o tráfego da aplicação está a fluir – e onde e como ajustá-lo – requer visibilidade granular end-to-end. No entanto, a infraestrutura e os serviços de suporte a essas aplicações são complexos e isolados, portanto, poucas organizações desenvolveram esse recurso até mesmo para as suas aplicações mais críticas voltadas para o cliente.

Todas estas questões são ainda agravadas pela escalabilidade. Na era dos micro serviços e da computação distribuída, não é possível ficar no topo de um portfólio crescente de aplicações em expansão sem uma automação cada vez mais sofisticada.

A F5 acredita que um elemento importante dessa automação mais sofisticada é permitir que as aplicações se adaptem. Assim como um organismo vivo, as adaptive applications crescem, encolhem, defendem-se e curam-se com base no ambiente em que estão e em como estão a ser usadas. Isto aplica-se tanto a organizações nativas digitais nascidas na nuvem quanto a empresas estabelecidas com uma combinação complexa de arquiteturas tradicionais e modernas.

O que lhe parece? Saiba mais no blog da F5 lendo o artigo completo em 

https://www.f5.com/company/blog/adaptive-applications

 

Conteúdo co-produzido pela MediaNext, pela F5 e pela Westcon

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 27 Outubro 2020

IT INSIGHT Nº 27 Outubro 2020

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.