Google e o direito a ser esquecido: França quer efeitos globais

O Concelho de Estado francês pretende que o "direito a ser esquecido" seja aplicável não só na Google Europa mas também a nível global. O caso foi encaminhado para o Tribunal de Justiça da União Europeia para deliberação.

Google e o direito a ser esquecido: França quer efeitos globais

O Tribunal de Justiça da União Europeia (TJCE), o principal tribunal da UE, está a deliberar se a Google deve respeitar a política de "direito a ser esquecido” da Europa à escala global. O principal tribunal administrativo da França, o Conselho de Estado, encaminhou o processo para o TJCE.

A Google tem vindo a trabalhar com as autoridades europeias na implementação desta política desde 2014, quando o TJCE determinou que os europeus poderiam requerer a remoção de alguns resultados devolvidos numa busca contendo o nome da pessoa.

Inicialmente, no entanto, a Google apenas removeu os resultados dos seus domínios europeus, argumentando que seria um precedente perigoso interferir com os resultados da pesquisa em países com diferentes leis. A autoridade francesa de proteção de dados, a CNIL, disse posteriormente ao Google que, uma vez que aceita uma exclusão, deve remover resultados de todos os domínios, incluindo aqueles fora da Europa e em Google.com.

A Google tentou apaziguar os reguladores no início de 2016, quando começou a limpar listagens – em todos os seus domínios – de pesquisas realizadas no país a partir do qual o pedido de exclusão foi originado.

Mesmo assim, a CNIL impôs à Google uma multa de 100 mil euros no ano passado, levando a tecnológica a recorrer ao Conselho de Estado. Agora, a questão recai sobre o ECJ.

"Desde 2014 que temos trabalhado arduamente para implementar o “direito de ser esquecido” de forma judiciosa e abrangente na Europa", disse Peter Fleischer, advogado global de privacidade da Google, em comunicado à Reuters. "Nós defendemos a ideia de que cada país deve ser capaz de equilibrar a liberdade de expressão e privacidade ao seu critério, não em função do que outro país decidir".

O desenvolvimento deu-se no seguimento do parecer de um caso semelhante no Canadá, onde o tribunal superior do país decidiu contra a Google: no mês passado, o Supremo Tribunal do Canadá confirmou um parecer ordenando a desindexação global do site de uma empresa pela Google.

Enquanto o caso da UE está pendente, o Google está a tomar outras medidas para cumprir as leis de privacidade mais rigorosas da Europa. Na semana passada, quando abriu uma nova região da Google Cloud Platform em Londres, a empresa confirmou o seu compromisso com os requisitos de proteção de dados da UE, incluindo o direito de ser esquecido.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 11 Dezembro 2017

IT INSIGHT Nº 11 Dezembro 2017

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!