Ciberataques devem intensificar-se em 2017

Durante este ano deverá registar-se uma maior incidência de ataques informáticos. No entanto, a mentalidade das empresas também se vai alterar e a forma como estas encaram e gerem os riscos cibernéticos acompanhará o panorama das ciberameaças, segundo um novo relatório

Ciberataques devem intensificar-se em 2017

De acordo com o estudo “2017 Cibersecurity Predictions”, realizado pela Stroz Friedberg, empresa do Grupo Aon, as maiores ameaças que vão marcar o panorama da cibersegurança ao longo deste ano serão os casos de ciberespionagem, um crescente aumento dos ataques que colocam em causa a integridade dos dados, e uma maior ameaça por parte dos ataques relacionados com os dispositivos de IoT, aproveitados como pontos de lançamento para a propagação de malware, SPAM, ataques DDoS e manutenção do anonimato das atividades maliciosas.

A ciberespionagem e a guerra de informação influenciam as estratégias globais e políticas, como aconteceu durante a campanha para as eleições norte-americanas, quando hackers supostamente associados ao governo russo invadiram os servidores do Partido Democrata, da candidata Hillary Clinton, e expuseram e-mails confidenciais, levando à demissão da presidente do Partido Democrata, Debbie Schultz.

O estudo da Aon deixa alerta as empresas para a otimização da cibersegurança e a avaliação dos riscos. Apesar do papel desempenhado pelos governos e pelas legislações, em 2017 prevê-se que cada vez mais empresas se consciencializem para esta ameaça e adotem medidas de autorregulação através da criação de normas de segurança mais rigorosas e recurso a serviços de gestão de risco e de cibersegurança. Também a procura por seguros cibernéticos cresceu de forma excecional, reportando um crescimento anual de 30 a 50%.

“O risco cibernético é uma realidade a que as grandes empresas e entidades governamentais já estão atentas. O aumento da pressão dos reguladores deverá impulsionar a necessidade de desenvolver e instituir medidas internas como a criação de equipas de resposta a incidentes de segurança informática”, adianta Andreia Teixeira, especialista na área da cibersegurança da Aon em Portugal. “A indústria de serviços financeiros e outros setores regulados serão os primeiros a adotar procedimentos de due dilligence sobre cibersegurança, como lição aprendida das transações de alto perfil que não tiveram bons resultados em 2016”.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 7 Maio 2017

IT INSIGHT Nº 7 Maio 2017

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!