Interação e rapidez, a chave da mobilidade

O utilizador é exigente e dinâmico - este é o mantra das equipas de desenvolvimento de aplicações mobile e não é por acaso. Na Noesis compreendemos rapidamente que respeitar estes dois pilares seria fulcral para o sucesso, a longo prazo, de aplicações móveis

Interação e rapidez, a chave da mobilidade

A mobilidade revolucionou a utilização da tecnologia, ao permitir que a utilizemos em qualquer momento e em qualquer parte e que a informação esteja sempre disponível ao segundo, em tempo real. No entanto, a ferramenta de diferenciação ao dispor das empresas já não é a simples acessibilidade, pois qualquer utilizador rapidamente substitui uma aplicação por outra com funções semelhantes.

Neste novo paradigma os utilizadores escolhem uma experiência simples e eficiente que consiga responder às constantes alterações das suas próprias necessidades. Por esta razão, o desenvolvimento de fortes áreas de conhecimento de User Experience e User Interface, combinados com uma capacidade de resposta tecnológica rápida são, inquestionavelmente, os pontos de superação num mercado exigente e competitivo.
 

O que faz uma boa experiência de utilização?

A mobilidade veio transformar de forma profunda e perene a utilização da tecnologia, porque, ao invés de limitada pelos formatos e dispositivos em que estava anteriormente disponível, abre agora portas para a compreensão de que a experiência do utilizador vai acontecer em diferentes dimensões e com diferentes características – smartphone; smartwatch; phablet; tablet; ultrabook – e que a aplicação deve não só respeitar este facto como aproveita-lo em seu benefício. A boa experiência de utilização implica que é dada uma especial atenção à visibilidade e feedback das ações e opções da aplicação, ao mapeamento e consistência destas ações e à restrição a certas operações.

Esta mudança de paradigma implica que é essencial que o desenvolvimento aplicacional tenha em consideração os diversos cenários e condicionantes de utilização em que as aplicações desenvolvidas venham a ser utilizadas. E coloca em destaque a relevância da experiência de utilização (user experience – UX), definindo a forma como o contacto entre o ser humano e a aplicação ocorre – qual a hierarquia de informação, qual a arquitetura de navegação –, constituindo por isso um pilar fundamental na definição dos mais adequados processos de desenvolvimento a utilizar. Pelo seu lado, a user interface (UI) define a parte gráfica e o design da aplicação.

A UI passa não só pela definição das cores, mas também pelo posicionamento e design dos botões, dos call to action, ou até do conteúdo e disposição de uma imagem, todos estes desenhados em função do estudo profundo das preferências dos utilizadores. Em última análise, num mercado onde as alternativas são tão diversas, é a boa ou má experiência de utilização combinada com uma boa interface que dita o sucesso ou fracasso de uma aplicação.
 

Velocidade e rapidez, a abordagem da Noesis

Uma outra caraterística fundamental deste novo paradigma criado pela mobilidade prende-se com a capacidade de resposta rápida – estar permanentemente em contato com o utilizador, apreendendo à mesma velocidade quais são as alterações que têm que ser feitas na aplicação e implementando-as. Esta capacidade de execução e desenvolvimento ágil é altamente importante nas equipas de desenvolvimento.

O desafio que se coloca às empresas é o de assegurar que não existe um trade off a fazer quando surge a necessidade de acelerar a entrega de uma aplicação, não se perdendo qualidade mesmo em situações de elevada pressão. E é esta a abordagem da Noesis, estruturada em dois pilares fundamentais, assegurando a velocidade necessária aos novos modelos de utilização, mas sem comprometer a qualidade, essencial para o sucesso das aplicações. Para responder a este desafio, a Noesis propõe uma abordagem assente na velocidade e na metodologia Agile, com recurso a ferramentas de desenvolvimento low code, simplificando o desenvolvimento propriamente dito e adotando uma metodologia que, por apostar na proximidade e interatividade permite a rápida incorporação de novos requisitos.

Desta forma, é possível perceber quais as alterações que têm de ser feitas na aplicação e implementá-las de forma acelerada. Este é o chamado desenvolvimento rápido, que recorre à criação de modelos visuais de lógica de negócio, das integrações e da interface de utilização para cada aplicação, simplificando o desenvolvimento de código. A combinação de uma preocupação e capacidade de análise das preferências e necessidades dos utilizadores com a criação de uma estrutura ágil de desenvolvimento permite às empresas dar resposta de forma rápida e eficiente às necessidades e desafios dos seus clientes, desenvolvendo aplicações com entrega durante um período que pode ir das três semanas aos dois/três meses.

 

Branded Content

Artigo produzido por Noesis

 

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 11 Dezembro 2017

IT INSIGHT Nº 11 Dezembro 2017

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!