Cultura empresarial constitui principal desafio na digitalização

Foi esta uma das conclusões do recente Inquérito sobre cultura Open Source 2017 da Red Hat, no tópico das atitudes e prioridades das empresas em resposta à digitalização

Cultura empresarial constitui principal desafio na digitalização

A Red Hat, empresa líder mundial de soluções open source empresariais, revela os resultados de um inquérito em torno da cultura open source, ao nível da colaboração, transparência e meritocracia, e de que forma as empresas acreditam que a mudança organizacional é importante.

O ambiente empresarial tem sofrido alterações rápidas, em parte devido a avanços na tecnologia digital que estão a afectar o modo como fazemos negócios, o modo como prestamos serviços e o modo como nos relacionamos uns com os outros. Embora seja fácil ver como a tecnologia digital mudou a forma como trabalhamos, a necessidade de transformar a cultura, os valores e as práticas também está em crescimento.

Divulgado agora, o Inquérito sobre Cultura Open Source 2017 da Red Hat chegou a várias conclusões acerca da alteração de mentalidades e prioridades no que toca à forma como funcionam as organizações dos inquiridos, uma reação ao desenvolvimento do ambiente empresarial e às novas tecnologias disponíveis. Também mostrou que, embora a colaboração e a transparência sejam prioridades de topo para uma cultura aberta na opinião dos inquiridos, existem obstáculos que é fundamental ultrapassar para alcançar uma verdadeira mudança, como os sistemas legacy, a tecnologia desatualizada e as equipas isoladas.

 

Principais conclusões do Inquérito sobre Cultura Open Source 2017

A transformação digital está a alterar o negócio por dentro e por fora. A maioria dos inquiridos concorda que os desenvolvimentos na tecnologia estão a mudar o modo como as organizações do seu sector têm de funcionar para obter sucesso (91%).

Como tal, o negócio será totalmente diferente nos próximos anos. A maioria das organizações inquiridas já está a implementar planos de alteração da gestão (52%) ou já desenvolveu tais planos, mas ainda não os iniciou (10%). Quando questionadas sobre se planeiam efectuar alterações significativas ao modo como as pessoas trabalham em conjunto, as inquiridas partilharam que planeiam fazer mudanças nos próximos 6 meses (30%), no próximo ano (23%), e nos próximos 2 a 3 anos (14%).

Nesses planos de alteração da gestão, as TI são a principal prioridade. Uma grande maioria dos inquiridos identificou as TI como a principal área em que já tentaram ou vão tentar mudar a cultura (84%). Outras áreas chave são os recursos humanos (24%), a formação de líderes (23%), a contabilidade (12%) e o marketing (12%).

Há valor no caminho open source. A Red Hat estruturou muita da sua cultura com base nas comunidades open source em que trabalha e nos seus valores – transparência, inclusão, adaptabilidade, colaboração e comunidade. Os inquiridos consideraram a transparência como extremamente importante (29%) ou muito importante (45%). Segue-se a colaboração, com os inquiridos a considerarem-na extremamente importante (35%) ou muito importante (33%). Depois surge a comunidade, com 24% a verem-na como extremamente importante e 40% a classificarem-na de muito importante, e a adaptabilidade com 26% a olharem para ela como extremamente importante e 38% como muito importante. Finalmente, a inclusão teve 18% a avaliarem-na como extremamente importante e 36% a referirem que é muito importante.

Apesar de as empresas verem o valor do caminho open source, há barreiras à mudança cultural. 81% dos responsáveis concorda que ter uma cultura organizacional aberta é importante para a sua empresa. No entanto, apenas 67% dos inquiridos diz que a sua organização tem os recursos necessários para construir uma cultura aberta. Os sistemas legados e a tecnologia desactualizada estão a criar barreiras à mudança. Mais de metade dos inquiridos (59%) identificam este como um dos principais desafios das organizações quando implementam mudanças de cultura, a par do isolamento de departamentos/equipas (54%) e de questões orçamentais (51%). Outros desafios incluem a estrutura de gestão hierárquica (43%), a falta de adesão dos colaboradores (33%) e a relutância em partilhar conhecimento e dados (25%).

A organização do futuro está assente na colaboração e na comunicação aberta. Promover um ambiente de trabalho mais colaborativo (54%) e encorajar o diálogo aberto e o feedback em todos os níveis e departamentos (46%) são as principais alterações que os inquiridos já estão a levar a cabo ou planeiam fazer. Os responsáveis inquiridos também estão a planear melhorar a transparência dos dados e das comunicações internas (38%), repensar as práticas e estruturas de gestão (31%) e reavaliar a missão e os objectivos da organização (22%) para trazer maior abertura às suas culturas organizacionais. 

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 11 Dezembro 2017

IT INSIGHT Nº 11 Dezembro 2017

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!