Transformação digital: Empresas europeias com pouca maturidade

A falta de tecnologias atualizadas e de uma infraestrutura tecnológica adequada estão a desacelerar a migração para o digital de 57% das empresas europeias

Transformação digital: Empresas europeias com pouca maturidade

Um estudo realizado pela empresa de estudos independentes Pierre Audoin Consultants (PAC) e publicado pela Fujitsu, onde foram auscultados mais de 500 decidores empresarais de IT de grandes empresas, demonstra a falta de maturidade que ainda existe nas empresas europeias em relação à transformação digital.

Os resultados deste estudo colocaram a descoberto a impreparação das empresas no que diz respeito à transformação digital, que embora seja reconhecida como uma janela de inúmeras oportunidades, ainda não está a ser abraçada pela maioria das empresas. A Fujitsu e a PAC descobriram que pouco mais de 10% empresas olham para si mesmas como líderes em transformação digital e apenas 17% consideram que o digital é uma questão de vida ou morte para o seu negócio. Já 42% acreditam que embora esta tenha impacto, outros desafios, como as preocupações económicas, têm precedência.

“É surpreendente ver como poucas empresas estão actualmente a colher as vantagens da transformação digital, mas é encorajador saber que nos próximos 12 a 36 meses iremos assistir a um grande progresso. É expectável que as empresas movam cada vez mais os seus volumes de trabalho e aplicações para a cloud e que dêem passos significativos para melhorar não só a agilidade dos seus negócios como a eficácia dos seus orçamentos TI. Entretanto, muitas organizações vão tentar sobreviver executando processos críticos em software desenvolvido há décadas, e que está a começar a ceder perante a pressão”, refere Ravi Krishnamoorthi, SVP e head of Business Consulting, na Fujitsu EMEIA.

Efetivamente, a maioria dos auscultados apontaram as questões tecnológicas e culturais como os principais entraves à transformação digital- sobretudo a tecnologia e infraestrutura envelhecidas das empresas, a dificuldade de integrar o digital em sistemas legados e os desafios associados ao impulsionar de mudanças culturais no seio das próprias estruturas TI das empresas. Para os inquiridos, as aplicações legadas, em particular, são consideradas um fardo, sendo a principal preocupação o efeito negativo que elas têm na agilidade do negócio, seguido por aquilo que exigem ao orçamento tecnológico e que poderia ser mais bem usado se servisse para suportar a inovação.

“O desafio que a maioria das organizações enfrenta é que elas não foram concebidas para a era digital. Muitas fizeram grandes progressos, mas continuam a enfrentar a concorrência de novos actores no mercado que são nativos digitais. Para competir eficazmente, as empresas estão a remodelar a sua infra-estrutura tecnológica, desde o back end até às aplicações empresariais e às ferramentas de produtividade, mas são confrontadas com opções esmagadoras e uma enorme confusão de mudanças nos portfólios das marcas. E não se trata apenas de implementar a infra-estrutura certa para ir ao encontro das necessidades digitais de um negócio; muitas empresas começam a perceber que, a menos que os funcionários estejam a acompanhar o ritmo, até as estratégias mais bem pensadas irão falhar", salienta Nick Mayes, diretor de Investigação na PAC.

No entanto, os resultados do estudo mostram-se otimista à mudança de paradigma das empresas europeias: embora apenas 20% questionadas tenham realizado a migração de mais de metade das suas aplicações para a cloud, este número deverá mais do que duplicar nos próximos três anos. A implementação de automatização de processos em robótica deverá também crescer durante este ano, com vista a aumentar a fiabilidade, velocidade e o foco em processos externos e internos.

O recente foco das transformações digitais empresariais tem sido a remodelação tecnológica. No entanto, se uma empresa não tiver a estrutura ou a cultura adequadas para ir ao encontro da evolução das necessidades do mercado, então os ganhos conquistados apenas pela tecnologia serão de curta duração. A maior parte dos inquiridos compreende isto. Todavia, atualmente só 6% implementaram ferramentas totalmente integradas de produtividade e colaboração e possuem uma força de trabalho que explore eficazmente a tecnologia. Para a maioria, aproveitar todo o potencial das ferramentas é um trabalho ainda em curso.

Os decidores planeiam priorizar a sua implementação entre equipas viradas para o cliente, o que ajudará a assegurar que as suas transformações digitais permanecem focadas nas necessidades dos seus clientes.

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 12 Março 2018

IT INSIGHT Nº 12 Março 2018

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!