Transformação digital é tema de liderança

Negócios digitais não se fazem apenas de tecnologia – exigem, sobretudo, líderes com a capacidade de implementar e gerir a mudança, aproximando pessoas, dados e processos. A Microsoft chama-lhes “Transformers”

Transformação digital é tema de liderança

Transformação digital é o tema da atualidade e exige líderes à altura. Este foi o mote do “Be The Transformers for the Digital Transformation”, evento que decorreu nas instalações da Microsoft Portugal, em Lisboa. A tecnológica quis sensibilizar os decisores empresariais para a liderança digital. “A transformação não é possível sem gestão da mudança”, realçou Paula Panarra, diretora-geral da Microsoft Portugal, que alertou para a necessidade de “haver uma vontade forte” para alterar modelos de negócio que se ajustem à economia digital - protagonizada por consumidores que procuram experiências personalizadas e na qual 60% do ciclo de compra acontece antes do contacto com o produto ou serviço.

Paula Panarra deu o exemplo da própria Microsoft, que para se manter competitiva teve de tornar-se numa empresa de plataforma e produtividade como um serviço. Partilhou, ainda, exemplos de empresas que estão a abraçar o digital – desde o Banco CTT, um verdadeiro nativo digital, à própria Primavera, que adotou a cloud para escalar o seu negócio, passando pela Thyssenkrupp, que em Portugal está já a recorrer ao Hololens, dispositivo de realidade aumentada da Microsoft, para realizar a manutenção de elevadores. Por cá a Microsoft tem também a decorrer um piloto com o grupo Pestana para reconhecimento facial em real time, que nos EUA está já a ser utilizado pela Uber para garantir a segurança dos passageiros, através da identificação dos motoristas.

 

Como ser um digital transformer?

Paulo Simões, partner Egon Zhender, empresa que se dedica à contratação de executivos, frisou que a sensibilidade e maturidade dos CEOs para a transformação digital tem uma correspondência direta na cultura organizacional. “A transformação digital é um tema de pessoas”, disse, enfatizando que o Chief Digital Officer (CDO) está mais próximo do CEO quando existe a noção de que é preciso mudar. “A liderança digital não pode ser delegada”, apontou. “Começa com o CEO e é top-down. No entanto, ainda não está na agenda dos CEOs portugueses”.

Paulo Simões chamou a atenção para a importância de iniciar o processo de transformação com o foco no cliente. “Há a tendência para que esteja na operação, o que é errado. A transformação deve ocorrer com o cliente ao centro”, destacou, dando o exemplo das empresas na vanguarda do digital - Amazon, Google e Booking, todas customer-centric.

O digital significa entender o negócio de forma holística, como um todo, e implica também valorizar o erro. “Se não existem erros significa que não se está a arriscar o suficiente. O que se pretende com a transformação digital é errar”, disse, apelando a que se contratem CDOs "capazes de trabalhar com o erro", uma caraterística que se encontra mais facilmente nas gerações mais jovens. "O talento digital tende a ser jovem".

Sobre a importância do CDO, frisou que este tem de ser um líder da mudança e estar ao lado do CEO, que é, sobretudo, o motor da transformação da cultura empresarial, sem a qual o digital não pode ocorrer. "A cultura digital carateriza-se por ser aberta ao erro, centrada na experiência do cliente e recorrer aos métodos quantitativos e ao analytics para derivar conclusões", rematou.

 

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 12 Março 2018

IT INSIGHT Nº 12 Março 2018

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!