Forward

Seis Níveis de Marketing de Identidade

Gerir identidades está a tornar-se rapidamente um requisito para o sucesso no negócio digital

Seis Níveis de Marketing de Identidade

Primeiro cenário: A Lizzy procura uma coleira para o seu cão com padrão de xadrez no Leashy.com e efetua a compra. É bombardeada com anúncios para a mesma coleira durante meses. Frustrada, entra na app da loja e fecha a sua conta, mas continua a receber ofertas por e-mail. Reporta-as como spam.

Segundo Cenário: O Frankie procura uma coleira de gato no Leashy. com. Repara numa série de anúncios sobre as suas apps de jogos favoritas para smartphones. Descarrega a app do retalhista, compra a coleira mas opta por não receber notificações por e-mail. Nunca recebe nenhum e-mail mas na sua próxima visita ao site da Leashy repara na existência de acessórios complementares à venda. Qual é a diferença? Apenas que o responsável de marketing do segundo cenário conseguiu dominar o nível da identidade. Embora os métodos de juntar identificadores e construir perfis sejam complexos, o retorno é fácil de entender: uma melhor experiência de cliente e uma maior duração do valor obtido.

Gerir a identidade pode impulsionar um envolvimento multicanal mais efetivo, melhorar o foco e as táticas criativas, bem como tornar a medição mais precisa. Uma boa gestão de identidade permite abordar a vantagem das experiências “people-based” detida por plataformas como o Facebook, Google e Amazon. Estas plataformas possuem uma base de utilizadores que os identifica quando estes efetuam o login em qualquer dispositivo ou browser, permitindo uma experiência consistente. Os consumidores estão continuamente à espera de ter o mesmo tipo de experiência por parte de comerciantes diferentes.
 

Relacionando os dados

De acordo com a Nielsen, em média, cada adulto norte-americano possui quatro dispositivos digitais e passa cinco horas por dia a utilizá-los – 67% desses adultos utilizam os seus dispositivos móveis para procurar produtos e serviços, segundo a Consumer Technology Association. Entretanto, 60% dos consumidores que procuram um produto num dispositivo móvel acabam por realizar a compra num dispositivo ou browser diferentes. Os principais comerciantes tentam ligar dispositivos e browsers a pessoas – anónimas ou conhecidas – bem como facultar uma camada adicional de informação de gestão de campanhas e outros sistemas. Num estudo conduzido pela Advertising Bureau, 43% dos comerciantes referem que a identificação e relacionamento de audiências em canais cruzados é uma das suas principais preocupações.

A Gartner estima que o número de dispositivos por pessoa, incluindo smart TVs e wearables, seja superior a seis em 2020. As expetativas dos consumidores para reconhecimento e relevância deverão também crescer. Gerir identidades está a tornar-se rapidamente um requisito para o sucesso. Esta prática não é nova. Desde a era pré-digital, os comerciantes tinham o desafio de relacionar diferentes nomes e moradas, acompanhar as alterações e associar as pessoas à demografia, bem como a outros dados. Técnicas estatísticas, como o relacionamento de dados, foram desenvolvidas para determinar se diferentes dados provavelmente pertenceriam à mesma pessoa.


Seis Níveis de Marketing de Identidade

O marketing de identidade não se resume a “conhecido” ou “desconhecido”. Também não é o mesmo que identificação por dispositivos cruzados (XDID) ou “device matching”, que é uma importante subcategoria. Deve ser entendida como algo que se desenvolve ao detalhe, partindo de dados anónimos generalizados e chegando a informação pessoal autenticada, com muitas áreas cinzentas pelo caminho. Existem seis níveis básicos de marketing de identidade utilizados por comerciantes e publicitários, correspondendo a casos de uso típicos de marketing.

  1. Localização: A pessoa e o dispositivo não podem ser identificados, mas a localização pode ser determinada ou inferida. Utilizado para: mensagens específicas por localização, direcionamento familiar, medição.
  2. Dispositivo único: A pessoa não é identificada, mas o dispositivo em utilização é associado a um identificador “pseudo-anónimo”. Utilizado para: organizar conjuntos de dados, reconhecer pessoas e rastrear percursos.
  3. Múltiplos dispositivos: Diferentes dispositivos (tais como o browser e dispositivos móveis) são associados mutuamente, assumindo-se que pertencem à mesma pessoa (desconhecida). Utilizado para: organizar conjuntos de dados, reconhecer pessoas e rastrear percursos em múltiplos dispositivos.
  4. Dispositivos para pessoas pseudo-anónimas: os dispositivos relacionados são conectados a atributos relevantes, incluindo segmentos ou audiências, comportamentos passados, definições de privacidade, etc. Utilizado para: targeting, envio de mensagens, personalização, medição.
  5. Dispositivos para pessoas identificadas: os dispositivos relacionados são conectados a uma forma de informação pessoalmente identificável (Personally Identifiable Information– P.I.I.), geralmente um e-mail ou uma identificação de cliente (Customer ID). Utilizado para: personalização, medição, integração com informação primária (por exemplo, CRM, POS, sistema de fidelização). 
  6. Dispositivos para uma pessoa autenticada: os dispositivos relacionados são conectados a uma pessoa real do mundo offline. Utilizado para: todas as situações referidas acima; mas também para anexar dados, tais como a demografia, rendimentos e créditos, padrões de compra, posse de um carro.

Os comerciantes utilizam o nível de informação disponível. Cada tipo de identidade pode ser utilizado para melhorar os resultados. A cada momento, as empresas enfrentarão os clientes e novos potenciais clientes a todos os níveis, bem como diversos clientes que não conseguirão identificar de todo.

Além do mais, a identidade continua a mudar, à medida que as pessoas eliminam e renovam os identificadores, perdem e mudam de telefone, e daí em diante. Não há uma identidade instalada no marketing; trata-se de um fluxo contínuo. Os melhores comerciantes tratam a identidade como uma aproximação, como parte de um motor de informação em correnteza, não como uma base de dados.

 

Artigo original produzido por Martin Kihn, Research VP at Gartner.

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 10 Novembro 2017

IT INSIGHT Nº 10 Novembro 2017

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!