Facebook encerra programa de inteligência artificial após este ter criado o seu próprio idioma

Um grupo de investigadores da Universidade Tecnológica da Geórgia colocou um ponto final a um programa de inteligência artificial (IA) após este ter criado um idioma próprio quase impossível de decifrar

Facebook encerra programa de inteligência artificial após este ter criado o seu próprio idioma

O sistema em questão desenvolveu palavras código que lhe permitiam comunicar de forma muito mais eficiente, deixando de utilizar o inglês como a sua língua principal, o que tornava as suas comunicações incompreensíveis para o ser humano e que apanhou de surpresa os investigadores.

Este curioso caso ocorreu num laboratório de inteligência artificial da Universidade Tecnológica da Georgia, nos EUA, que estava a trabalhar num projeto financiado pelo Facebook para o desenvolvimento de uma IA capaz de aprender e de desenvolver novas técnicas de negociação.

Os responsáveis pelo projeto apagaram-no de imediato, apesar do novo idioma desenvolvido pelo sistema se ter revelado muito mais lógico e ágil para o cumprimento das tarefas que teria de desempenhar. A linguagem em questão assemelhava-se a uma variação do inglês, o idioma em que a IA foi originalmente programada. Tinha a particularidade de ser desprovido de sentido para a compreensão humana, dado que recorria a uma estranha repetição de pronomes e determinantes.

O que parecia uma repetição ao acaso revelou-se uma estrutura lógica e coerente, que permitia à inteligência artificial negociar com diferentes agentes com o recurso a menos palavras e, por isso mesmo, com menor risco de mal-entendidos.  

Com este caso levanta-se uma questão fundamental: no futuro, compreenderemos (e controlaremos) a forma como as máquinas comunicam entre si?

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 11 Dezembro 2017

IT INSIGHT Nº 11 Dezembro 2017

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!