2018: ano de inovação nos meios de pagamento

De acordo com o estudo Indra-Tecnocom sobre Tendências nos Meios de Pagamento, 2018 será o ano em que a transformação digital dará lugar à disrupção na indústria de meios de pagamento.

2018: ano de inovação nos meios de pagamento

A Indra apresentou o estudo Indra-Tecnocom sobre Tendências nos Meios de Pagamento, que foi realizado pela sua filial Tecnocom, com a colaboração de analistas financeiros internacionais e que conta com a opinião de um conjunto de directores do sector bancário e especialistas em meios de pagamento de diversos países.

De acordo com este estudo, 2018 será o ano em que a transformação digital dará lugar a soluções disruptivas relacionadas com a indústria de meios de pagamento.

Para esta onda disruptiva contribuirão decisivamente as alterações do mercado regulador, que vai propiciar o aparecimento de novas empresas e modelos de negócio. Por exemplo, na Europa, uma das alterações do mercado regulador prevista para 2018 é a nova directiva comunitária PSD2.

O estudo refere ainda que é imprescindível saber como é que a inovação nos pagamentos, juntamente com o aumento da pressão competitiva provocada pelo mercado regulador e os novos agentes, modificará substancialmente o modo como fazemos os nossos pagamentos no dia-a-dia.

De acordo com o estudo, o ritmo com que as entidades fornecedoras de serviços de pagamento irão encarar a transformação digital dependerá de tendências externas (avanços tecnológicos, mercado regulador e uma intensificação sem precedentes da concorrência) assim como de factores internos, tanto da indústria como de estratégia institucional. E explica que, no mundo dos pagamentos, o back-office, as infraestruturas, as câmaras de compensação e liquidação e as normativas ou acordos da indústria que determinam as relações interbancárias são elementos fundamentais.

Ao rever as tendências futuras da indústria, o estudo refere também a pouca disponibilidade dos clientes para partilhar informação, mais ainda sem ter certezas em relação aos benefícios obtidos como contrapartida da cedência de dados.

A opinião dos especialistas vai no sentido de que para estimular os clientes a cederem os seus dados pessoais (de carácter financeiro e outros) a troco de melhores produtos e serviços financeiros e/ou vantagens comerciais, as vantagens oferecidas em contrapartida devem ser evidentes, relevantes e suficientes, que justifiquem esta cedência ou partilha de dados sensíveis e sempre com todas as garantias de protecção e uso adequado e acordado entre as partes.

Sobre as fintech, o estudo evidência que na América Latina existe um bom nível de aceitação das novas empresas tecnológicas, tanto em relação aos serviços de informação e de análise que oferecem ou prevêem oferecer (consultas, data analytics), como na eventual oferta de produtos e serviços financeiros (isto é, com impacto monetário).

 

O mercado português de Meios de pagamento em 2016

O Estudo Indra-Tecnocom sobre as Tendências nos Meios de Pagamento 2017 analisou com detalhe o desenvolvimento da indústria de Meios de pagamento em Portugal em 2016, assim como em Espanha e em vários países da América Latina.

No caso de Portugal, o país estabilizou em relação aos níveis transaccionais pré-crise. Em termos de valor das transacções de pagamento, os cartões representam 29,5%, apenas superado pelas transferências interbancárias (42,4%). Em termos de volume, os cartões representam 86,3% das transacções.

Em 2016 o valor dos pagamentos com cartão quase duplicou o dos levantamentos nas caixas automáticas (ATM), tendo Portugal atingido um rácio 1:1 em 2009 (Espanha consegui-o em 2016). O número de operações com cartões de pagamento no ponto de venda (de acordo com a informação pública disponível e sem poder diferenciar entre as modalidades de débito e crédito) aumentou 8,2% em 2016, percentagem idêntica à registada em 2015. E o valor dos levantamentos com cartão nos ATM aumentou 1,9%.

Em 2016 a rede ATM caiu 3,2% em número de equipamentos e representa 87% da que existia em 2011, ainda assim mantém o rácio mais alto de ATM’s por cada milhão de habitantes (1.462) dos países que fazem parte deste Estudo. O número de transacções nos ATM manteve-se constante em cerca de 475 milhões de operações por ano no período 2011-2016.

Em relação à rede de TPV, superou as 303.000 unidades em 2016 com um crescimento de 6,2%, que movimentaram 1.113 milhões de operações de pagamento (uma média de 10 por dia por média de dispositivo), por um valor diário por TPV de 690 dólares.

O número total de operações realizadas com cartão (sem diferenciar entre pagamentos e levantamentos) cresceu 8,2% em 2016 e 8,1% em valor.

O uso do cartão (sem diferenciar entre pagamentos e levantamentos) situou-se nas 79 transacções por cartão/ano superando as 74 registadas em 2015. 

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 11 Dezembro 2017

IT INSIGHT Nº 11 Dezembro 2017

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!